Andrea Roque Neiva

Procrastinação

Deixar pra depois acho que todo mundo vive isso, desde fazer uma planilha chata até tomar decisões importantes.

Eu quando era jovem procrastinava pra estudar e sempre deixava para o último dia. Aprendi a viver sob pressão e procrastinar era quase que um prazer distorcido.

Tipo sair de casa atrasada pra ter que correr no trânsito.. uma ideia meio louca mas um dia me perguntei por que faço isso se tenho tempo de sair na hora? Percebi que meu vício na procrastinação estava também na adrenalina de fazer correndo e sob pressão, tinha aprendido a viver sob pressão pela exigência da minha infância e isso se tornou um prazer inconsciente, porque a pressão era o normal pra mim. Esse habito que começou com coisas inocentes foi tomando força e fui deixando coisas relevantes pra depois, como eu mesma.

Me coloquei muito tempo em último lugar na vida, era primeiro meus filhos e depois meu ex marido, a ponto de não saber o que eu gostava, ou quais eram minhas necessidades, pois minhas necessidades passaram a ser agradar os outros e eu ficava sempre pra depois.

Acabei a faculdade mas como já tinha um filho, pensei, depois penso nisso e o tempo passou e fiquei com tanto medo de recomeçar que adiei por muito tempo essa decisão que claro acabou sendo tomada sob pressão quando separei e não tinha muita escolha,  tive que começar uma profissão do zero com a pressão de dar conta da família financeiramente.

Terminar relacionamentos ruins sempre foi o meu forte na procrastinação, eu tirava de mim ate a última gota pra não terminar acreditando que algo magico aconteceria. Mudar o outro era meu forte, mas olhar o que me fazia infeliz eu deixava pra depois, tinha uma preguiça de encarar os fatos e resolver a vida pra que as coisas dessem certo. Sabe quando você sabe o que fazer mais não faz e não sabe nem por que não faz? Tipo uma preguica inconsciente de mudar, mesmo que esteja ruim? Hoje percebo que queria poupar riscos, queria deixar que as coisas se resolvessem sozinhas, na verdade eu delegava responsabilidade, um habito clássico do procrastinador, delegava inclusive pra Deus, fazendo diversas práticas espirituais mas, não fazendo escolhas diferentes. Minha vida só começou a mudar quando comecei a tomar consciência de minha participação nos resultados que eu colhia. Quando passei a me responsabilizar pelas mudanças e não esperar que algo acontecesse. Sabe tomar as rédeas?

Quando percebi que não era feliz e resolvi olhar sem preguiça o que dava tanta insatisfação e não adiei mais as decisões, fazendo um passo a passo que hoje me trouxe para um lugar confortável que é na verdade viver uma vida seguindo meu coração e fazendo as mudanças necessárias para que eu possa realmente ter as minhas necessidades atendidas. Um trabalho de formiga, constante e sem pausas.

Post A Comment

× Fale comigo via WhatsApp